A Traição

14 10 2009

O tabu da sociedade monogâmica: traição. Hoje, pensava neste tema que me amedronta e interessa. Por que pensamos que a traição é tão ruim? Bom, uma das razões é a imposição  da sociedade. Sociedade que tem sua moral ditada pela religião; e religião que tem a monogamia como símbolo do amor. Mas o que é realmente a traição… Seria suprir o desejo (tesão) que aflora para com outros indivíduos no momento em que você está comprometido? Ou é amar mais de um ao mesmo tempo? Levemos em consideração que as duas coisas sejam traição. Ok. Então por que é que eu tenho tanto medo?

Toda a traição, seja ela amorosa ou relativa à amizade, reflete em perda de confiança. E quando a confiança se vai, é como um dente permanente que cai: não volta. Falta de confiança é sinônimo de insegurança. Insegurança pode, em determinados casos, terminar em baixa auto-estima. E tudo isso corre em um círculo vicioso, em inércia perfeita. E quanto mais a insegurança está presente, mais você tenta prender o parceito/amigo para si. Grande erro. Ele(a) vai. Baixa auto-estima passa a ser um estado natural do ser traído. Mas por que é que a traição é vista como perda de confiança? Traição simboliza então a perda de algo que, supostamente, pertence ao ser traído. Possessividade, ter, ter e mais ter. “Você é meu”. O quão egoísta seria aquele que não daria a mão a quem o traiu? Por que um homem ou mulher não pode amar a dois/duas ao mesmo tempo? Por que não se pode ter dois melhores amigos? Se ninguém é perfeito, deveríamos hipoteticamente ter a opção de, pelo menos, juntar um pouco daqui e dali para que as necessidade fossem supridas. Ou não. Não sei.

Anúncios